Tá-se, Tá-se!

Está explicado o lapso dos D.A.M.A, fazem surf na praia da Areia Branca e este é o seu bar de eleição! Tudo explicado, foram induzidos em erro!
Poucos se podem gabar de não dar erros ortográficos ou de nunca ter tido dúvidas como se escreve determinada palavra, eu cá às vezes até invento palavras, mas são poucas as figuras públicas que se podem dar ao luxo de tamanha arrogância e escapar incólumes! E vida, Às vezes, tem destas coisas… ironias do destino 🙂

Brilliant

Brilliant – é um belo site repleto de desafios divididos em 12 tópicos das áreas da Matemática, Ciência e Engenharia! Bom para exercitar e entreter a mente, rever e aprofundar conceitos.
Subscrevendo, todos os dias, nos enviam um mail com um desafio (várias opções de resposta em que só um está certa) sobre qualquer um dos tópicos e, de tempos a tempos, os challenges do “Keep the streak alive!” que apresenta mais 5 problemas sobre um determinado tópico, acertando vai-se “subindo” de nível e passando aos problemas mais difíceis! Gosto muito, recomendo para “cabecinhas pensadoiras”!!!

Pipocas

Irmos os cinco ao cinema sai caro, há prioridades e formas mais interessante de gastar o dinheiro, ser paciente e poupado, na dose certa, são grandes virtudes! Como tal, de quando em vez, temos sessão de cinema cá por casa, patrocinado pelo Tugaanimado, onde nunca faltam as pipocas. Não são as pipocas do cinema mas são muito boas, a prova  é que desaparecem num instante.
Utilizamos uma receita simples que aprendi com uma colega (de casa, nos tempos de faculdade) mas que envolve alguma atenção e agitação. Foi também esta a receita de pipocas que pimpolha mais velha tentou fazer durante o seu período Home alone, não sendo difícil, não foi a escolha adequada para se iniciar nestas lides!

Preparação
Colocar um pouco de óleo a cobrir o fundo de um tacho e açúcar a gosto (costumo usar 1 a 2 colheres de sopa), levar ao lume. Quando o açúcar estiver quase dissolvido, ficando em tons de amarelo, mas antes de ficar em ponto caramelo, colocar o milho espalhado no centro do tacho. Envolver bem, baixar um pouco o lume e ir abanando o tacho frequentemente para que não se queimem as pipocas.
Diz quem já experimentou que a técnica resulta muito bem também com pipocas salgadas mas nós nunca experimentámos.

Queijada de mascarpone e limão

Húmida, levezinha, saborosa!

Ingredientes
50g manteiga
250g queijo mascarpone
1 pacote de natas
150g farinha
150g açúcar
3 ovos
raspa e sumo de 1 limão
1 colher de chá de aroma de baunilha
3 colheres de sopa de sementes de papoila (opcional)
Açúcar em pó para polvilhar

Preparação
Numa taça, bater bem a manteiga com o queijo. Juntar a baunilha, o sumo e raspa de limão, a farinha e o açúcar, batendo bem. Adicionar os ovos, um a um, envolvendo bem. Juntar as natas e sementes de papoila (opcional) e mexer bem.
Levar ao forno pré aquecido a 180º, numa forma de fundo amovível, forrada com papel vegetal, cerca de 30 minutos. Deixar arrefecer antes de desenformar.

Transições

Parte do texto, que recebemos da escola de pimpolha mais pequena, prelúdio ou justificação para uma reunião com todos os pais das salas dos 5 anos e a psicóloga da escola. Terminava com “As turmas só serão divulgadas no final julho”, assim como quem diz “Vejam lá se se acalmam” ou, como diria o outro, “Take it easy!”.
Quando li o mail sorri e pensei, deve haver malta a “stressar” à grande: eles e, por arrasto, os filhos e educadora. Não me lembro das outras duas vezes que vivemos esta transição receber um mail destes, embora a escola seja a mesma, também, tal como agora, não me lembro de sofrermos por antecipação, ou falarmos muito do assunto cá por casa.
Depois há aqueles momentos em que, em conversa com outros pais, percebemos que se calhar, mas só se calhar, somos um bocadinho desnaturados descontraídos de mais, ou que essa é a perceção que têm de nós e com a qual vivemos felizes e contente. Mas quando terminam dizendo, preocupados, “De há uns tempos para cá tem pesadelos com o 1º ano! Acorda a chorar e sobressaltado e diz que quer ficar para sempre na sala dos 5 anos”., pensamos, talvez a descontração e distração seja uma coisa boa 😉
Efetivamente, cada vez me convenço mais que os pais, os pais, estão na origem de muitas cenas e coisas que enfim… podiam ser facilmente evitáveis. Os tempos mudaram, os pais também em alguns aspetos, claramente, para pior, basta falar com qualquer educador ou professor e a 1ª queixa é, geralmente, “O problema, muitas vezes, não são os miúdos, são os graúdos!”

Pessoas realmente importantes

Pimpolha mais velha está a terminar o 5º ano e decidiu, no final de mais um ano letivo, escrever uma carta, talvez um bocadinho, mas só um bocadinho, exacerbada, à sua professora do coração. Da sua diretora de turma, diz que sim, que gosta e que é fixolas mas não há nada como a sua professora do 1º ciclo, essa é, claramente, “The special one”.
Revela bem o papel e a “importância” que tem, ou pode ter, um bom professor do 1º ciclo, o que raramente se verifica nos ciclos seguintes ou pelo menos com tal intensidade.

Este estaminé pelos olhos e mãos de pimpolha mais velha

Quando decidimos brindar aqui o burgo com nova cara, pedi a pimpolha mais velha que, num desenho seu, retrata-se o que por aqui se passa. Ora a moça fez o seu desenho mas depois o mesmo desapareceu, de tão bem que ela o guardou, no meio de tanta ideia e projeto criativo. Este fim de semana deu à costa, depois de uma longa viagem no mundo dos seus muitos rascunhos e rabiscos!
Nota: Sim, lemos-lhes, ou damos a ler, o que por aqui se vai dizendo, especialmente quando são eles os visados, uma vezes antes outras depois de publicarmos, eles riem-se e dizem, “Passa à próxima, essa já lemos” e assim se entretém um bom bocado a avivar a memória.

“De que forma é que as crianças (0 aos 8 anos)e as suas famílias utilizam as tecnologias (online)? “

Um estudo piloto europeu, realizado em 18 países, procura dar resposta a esta pergunta, explorando a dinâmica entre pais e filhos, as utilizações e as perceções de crianças e pais relativamente à utilização destes dispositivos, a fim de identificar as atividades digitais e práticas, benefícios e riscos associados.
Em todos os países, o relatório tem como base uma amostra incluiu 10 famílias com crianças com 6 ou 7 anos de idade, que frequentavam o 1º ou 2º ano de escolaridade do 1º Ciclo do Ensino Básico e que utilizavam, pelo menos uma vez por semana, um dispositivo digital.

As principais conclusões referidas no relatório português (vale a pena dar uma vista de olhos)

Dia da Criança

Uma ideia engraçada, colorida, original, até a escola ganhou um outro ar! Os miúdos são muito castiços  e dizem coisas fantásticas.
Pimpolha mais pequena encarnou a sua melhor versão materialista – anda uma pessoa convencida que anda a fazer alguma coisa de jeito com esta malta e vai-se a ver… parece que nem por isso 🙂 Ao ver o seu dizer, ri-me e disse-lhe “Presentes, hã?” e ela respondeu com o seu sorriso maroto, aquele de quem tem sempre resposta na ponta da língua e me dá um grande desconto, “Recebeste algum hoje?” – é tão parecida com o seu mano e… com a mãe, dizem as más línguas, obviamente.


Os meus preferidos são

Mas há lá muitos simplesmente deliciosos

Ser criança não é fácil! Corresponder às expectativas dos pais pode ser tramado e, ao que parece, desde muito cedo, se aos 5 anos, uma mãe, que lia o “mural” com o filho pela mão, observa com um ar desiludido “Então e só disseste isto? Os teus amigos disseram muito mais coisas!” imagino como será daqui a uns anos, o filho limitou-se a olhar para ela, dando de ombros, como quem diz “O que é que querias que eu dissesse mais?”.

Espíritos livres, criativos, críticos, genuínos, energéticos, brincalhões, de sorriso fácil, marotos, aventureiros, assim são as verdadeiras crianças, independentemente da sua idade 🙂 E tão bem que eles sabem viver, são verdadeiramente felizes, relembremos e aprendamos com eles!

Neste dia, a RFM, em honra das crianças e da palavra que elas mais odeiam ouvir “Não”, com mais uma excelente letra musicada. Vale a pena ouvir, rir e mostrar à pequenada, aqui por casa apreciaram mas gostaram mais da da Comercial (eu também não… )

Brownie de chocolate (+) saudável

Aliciada pelo meu amigo Joaquim, que me mostrou uma receita de um brownie (+) saudável, depois de umas pesquisas nas internets, decidi experimentar fazendo várias adaptações com os ingredientes que havia cá em casa. O resultado foi bastante bom, tivemos que provar várias vezes para garantir a veracidade do nosso julgamento à primeira deitada: cheira a brownie e sabe a brownie, não é nada doce comparado com os originais, tem um intenso sabor a chocolate e é bastante húmido. Nós gostámos muito e a ti, Joaquim, que tal te parece?

Ingredientes
3 batatas doces
1 ovo
200g de chocolate preto
400ml de leite de coco
200g de amêndoa
100g de noz
3 colheres de sopa de mel
2 colheres de sopa de açúcar amarelo
1 colher de sopa de essência de baunilha
1 colher de chá de bicarbonato de sódio

Preparação
Descascar e levar a cozer as batatas doces com um pau de canela. No triturador, picar a amêndoa até ficar tipo farinha. Numa taça, juntar metade do óleo de coco e o chocolate partido aos quadradinhos, levar ao microondas 2 minutos para derreter; envolver bem e juntar o restante leite de coco. Depois de cozidas e bem escorridas, com um garfo transformar em puré a batata doce, adicionando e envolvendo de seguida, o açúcar, o mel e a essência de baunilha. Numa taça, juntar o puré e a farinha de amêndoa, misturando bem com a batedeira. Adicionar o chocolate e bater. Juntar o ovo e o bicarbonato de sódio, misturando bem. Picar as nozes grosseiramente e juntar ao preparado anterior. Levar ao forno, pré-aquecido a 180ºC, num tabuleiro retangular, forrado com papel vegetal, cerca de 30 minutos.

Dica: Fica ótimo congelado aos quadradinhos, separados por papel vegetal (para se poder tirar individualmente. É só retirar com congelador 10 a 15 minutos antes de consumir, fresquinho mas com aquele sabor maravilhoso!!!

#Diz Olá

Cartazes que podem ser encontrados espalhados em várias paragens de autocarro da capital. Uma iniciativa gira, um apelo a uma comunicação real com quem está, literalmente, ao nosso lado e o poder de um simples “Olá” despertar um sorriso ou o ar macambúzio na vida atribulada e acelerada de muitos, um repto ao uso da boa educação e a ver, realmente, o outro! GOSTEI :)!!!

Juliana de carnes

Excelente para aproveitar restos de carne (frango assado, bifes, etc) ou para levar para um piquenique ou por pura gulodice. Uma receita que a pequenada gosta muito e que nos foi dada pela avó D. e era de uma antiga teleculinária do Chefe Silva dos famosos anos 80.

Ingredientes
Restos de carne (cozinhada)
1 cebola
3 colheres de sopa de polpa de tomate
vinho branco
ovos
azeite
2 pacotes de batata frita palha

Preparação
Cortar os restos de carne em pequenos pedaços. Num tacho, com um fio de azeite no fundo, colocar a cebola picada e deixar refogar. Num copo, colocar a polpa de tomate de encher com vinho branco, misturando. Juntar o vinho e o tomate ao refogado de cebola e deixar ferver 2 ou 3 minutos. Juntar a carne e deixar cozinhar 5 ou 6 minutos. Adicionar as batatas palha, envolvendo bem. Baixar ao lume, mexendo sempre para as batatas não se pegarem ao fundo. Desligar quando as batatas começarem a amolecer.  Colocar o preparado anterior num pirex, espalhando e acamando bem. Com a ajuda de uma colher fazer pequenos buracos espaçados e colocar, cuidadosamente, os ovos. Levar ao forno, a 180º, até os ovos estarem bem cozinhados

 

Bolo de nutella

Três ingredientes, fácil e rápido de fazer e o resultado é um bolo leve, fofinho e húmido, não muito doce e que desaparece enquanto o diabo esfrega um olho. Ficámos fãs e não somos grandes apreciadores de nutella, aliás este bolo serviu para gastar um resto que estava quase a passar de validade. A prima T. aliciou excelentíssimo esposo com a receita original, que só leva ovos e nutella, nós adaptámos pois só tínhamos um resto de nutella. Não sobrou quase nada para o dia seguinte, resumindo, é delicioso (segundo pimpolha mais velha)

Ingredientes
5 ovos
100g de nutella
100g de chocolate de culinária
açúcar em pó para polvilhar (opcional)

Preparação
Bater bem os ovos, cerca de 7 minutos, até obter um creme amarelinho e volumoso. Numa tigela, colocar a nutella (como a nossa estava de resto utilizei mesmo o frasco) e o chocolate, ao bocadinhos e levar ao microondas cerca de 2 minutos para derreter. Misturar bem até obter um creme homogéneo. Aos poucos, envolvendo sempre, juntar  creme de ovo ao chocolate. Deitar numa forma redonda pequena, forrada no fundo com papel vegetal untado, e levar ao forno cerca de 25 minutos.

 

 

Fidget spinners (homemade)

São a última moda e é vê-los a rodar, rodar, por todo o lado à miúdos com um na mão: de plástico, metalizados, com luzes, sem luzes, há para todos os gostos! Nas aulas, no intervalo, na rua, sei lá, estão por todo o lado, a rodar, obviamente! Pequenada da casa não é nada imune a estas modas, quando surgiram os primeiros, pimpolha mais velha disse “Aquilo não tem piada nenhuma!”, no dia seguinte, como quase metade da sua turma já tinha um, desconfio que os papás fizeram uma corrida ao chinês, passou a ser “Bué fixe”. Pequeno do meio sempre lhe achou piada e até já houve um amigo que lhe emprestou o seu por um dia. Pimpolha mais pequena mantinha-se mais aos menos indiferente a esta tendência, até ao dia em que apareceu o primeiro menino com um na sua sala e aí o caso mudou de figura, especialmente, quando no dia seguinte já quase todos também tinham um! Todos os dias a ladainha é a mesma “Vamos ao chinês comprar os spinner. Vá lá, vá lá! Um para cada um!” É que é já a seguir, andamos nisto vai para 3 semanas e spinner nem vê-los, quero dizer, eu vejo-os às carradas nas minhas aulas mas a coisa já não está na fase ascendente mais semana menos semana a coisa eclipsa-se, espero! Ora isto para dizer que quando vi fidget spinner feitos de cartão e de legos, pensei é isto, é desta que a coisa se resolve! Os de cartão seguimos as instruções do Red Ted Art e ficaram bem fixe: imaginem, rodam, não tão bem como os de compra mas cumprem a função! Pequeno do meio diz que este não dão para fazer acrobacias mas para isso vamos para ao circo! Os com Legos, foi ainda mais interessante, seguimos este modelo mas adaptámos às peças que tinhamos e estudámos novas soluções (forma, distribuição de pesos, a importância do eixo), uma lição simples de física mas efetiva. E assim entre trabalhos manuais e Legos se passou uma bela tarde. Fidget spinner: uma moda muito bem retratada, na Mixórdia de Temática, por Ricardo Araújo Pereira.

Empadão de atum (com arroz)

Uma receita simples mas muito apreciada pela pequenada e não só. Uma pequena delícia! Aprendemos esta receita com a avó D. que diz que é de uma Teleculinária antiga, da altura em que não havia internet mas haviam cadernos de receitas escritos à mão, e muitas mães se inspiravam na famosa revista do Chefe Silva. É ótima para fazer quando se tem restos de arroz. Uma das comidinhas que costumamos levar para os nossos piqueniques.

Ingredientes
(para dez pessoas )
5 latas de atum
5 ovos
2 colheres de sopa de maionese
1 cebola
azeite
sal

Preparação
Cozer os ovos. Picar a cebola, deitar num tacho com um fio de azeite no fundo. Deixar refogar bem e juntar o arroz (3 chávenas mal cheias), envolver. Colocar 6 copos de água, temperar com sal e tapar o tacho. Deixar cozinhar (aqui por casa gostamos dele bem cozido). No entretanto, enquanto o arroz coze, escorrer bem as latas de atum. Descascar os ovos cozidos. Deitar o atum numa taça, picar grosseiramente os ovos cozidos e deitar na taça com o atum, envolvendo bem. Juntar ao preparado anterior, 1 colher e meia de sopa de maionese (é só para envolver, às vezes 1 é o suficiente), misturar bem.
Depois do arroz estar cozido, num pirex grande, colocar metade do arroz no fundo, espalhando bem, por cima colocar o preparado com o atum, espalhando e acamando bem, colocar o resto do arroz por cima. Colocar meia colher de maionese no topo do arroz e espalhar com um garfo para doirar no forno. Levar ao forno, a 180º, cerca de 30 minutos, até a superfície começar a ficar tostadinha (gostamos mais dele pouco tostado).

Cosmos Discovery – A exposição

As várias missões, as cápsulas, os alimentos, os veículos lunares, os fatos dos astronautas, a sua “casa de banho”, a estações espaciais, a evolução da técnica e da tecnologia, os problemas técnicos, os robots de exploração, os vestígios dos meteoritos de marte (peso por grama entre 300 a 1000€), tudo isto e muito mais pode ser visto de perto nesta interessante exposição. São tudo réplicas, não se pode entrar nem tocar em nada mas fica-se com uma noção bem diferente e mais precisa do que é e envolve a exploração espacial, do espaço e de espaço. Gostámos e aprendemos muito. A “casa de banho” dos astronautas intrigou a pequenada mas onde vibraram mesmo foi na experiência de realidade virtual (não incluída no bilhete, 2€/pessoas  – 5 minutos) em torno da Estação Internacional Espacial.

Para terminar o dia, pequenada tomou de assalto o Maat que é 3 passos do Cosmos Discovery! Não visitámos mas é um espaço bem agradável à beira rio com uma estrutura…diferente, interessante!

Estendal(ais)

Há vários tipos de estendais aqui por casa: os tradicionais muito utilizados, os da pequenada que são variados: com mantas e edredons para fazer tendas e cabanas, os de brinquedos quando parece que nada está no sítio e tudo anda pelos ares, os verbais quando as coisas não lhes correm de feição e disparam, irados, em todas as direções, e há o meu preferido: o nosso estendal de fotos. Uma ideia simples mas com um efeito tão acolhedor e só necessitam de guita, molas de madeira pequeninas (da loja do chinês) e uns pins (ou pioneses)!

Suspeito…

“Água suspeita” num fontanário em frente à Universidade da Beira Interior. Não bastava só o “Imprópria para beber” ou “Água não potável” para se perceber a mensagem. Numa das ruas principais da Covilhã, em frente à UBI, acho que merecia, sei lá, qualquer coisa mais científico que o título “Água suspeita”.